Em 1998, o Fluminense se deparou com a maior vergonha da sua história, sendo rebaixado para a Série C de 1999. Esse rebaixamento foi definido após a disputa de 10 jogos. A título de comparação, desde 2006, para que uma equipe seja rebaixada para a Série C, ela tem que disputar 38 jogos.

 

 

Entendendo o contexto da Série B de 1998

A Série B, como a conhecemos, surgiu em 1988. Já a Série C, em 1994. Elas chegaram a ser disputadas antes desses anos, mas com características muito diferentes e com problemas de continuidade.

 

A Série B de 1998 faz parte de um período que vai de 1988 a 1998 onde todas as edições do campeonato tiveram sua Fase Classificatória organizada em grupos e com poucos jogos. Nesse período, a única vez em que a Série B não foi realizada foi em 1993, em decorrência da operação de resgate do Grêmio. O clube gaúcho caiu em 1991, a CBF subiu 12 times em 1992, Grêmio entre eles, inchou a Série A de 1993 e por isso não realizou a Série B desse ano.

 

Com relação aos grupos e critérios de rebaixamento, eles variaram bastante nesse período:

 

  • Em 1989, 96 clubes foram organizados em 16 grupos com 6 clubes cada. Foram rebaixados para a Série C os 10 piores colocados considerando a classificação consolidada considerando todos os grupos, incluindo os resultados da segunda fase. Confuso, não?

 

  • Em 1997, 25 clubes foram organizados em 5 grupos com 5 clubes. Foram rebaixados os últimos colocados de cada grupo. Muito mais racional.

 

 

Com relação a quantidade de jogos:

 

  • Em 1996 e 1997 cada clube teve 8 jogos apenas;

 

  • Nas edições de 1988, 1989, 1990, 1994, 1995 e 1998, cada clube teve 10 jogos;

 

  • Em 1991 e 1992, cada clube teve 14 jogos, mas nesses dois anos, não houve rebaixamento para a série C.

 

 

O Fluminense na Série B de 1998

A Série B de 1998 foi disputada por 24 clubes organizados em 4 grupos com 6 clubes cada. Cada clube disputaria 10 jogos em turno e returno contra os adversários do seu grupo. Os 4 primeiros colocados de cada grupo estariam classificados para a segunda fase. O campeonato teria seis rebaixados para a Série C de 1999: os últimos colocados de cada grupo, quatro no total, e os dois piores quintos colocados dos quatro grupos.

 

Essa foi a primeira e única edição da Série B de 1988 a 1998, que teve o rebaixamento dos dois piores quintos colocados dos quatro grupos. Justamente a Série B de 1998.

 

O Fluminense fez uma campanha pavorosa na primeira fase e foi rebaixado como um dos dois piores quintos colocados dos quatro grupos. Nos 10 jogos do Grupo D, nós tivemos apenas duas vitórias, 5 empates e três derrotas. Quando o Fluminense conquistou a sua primeira vitória, 2×0 Joinville, sexta rodada, 06/09/1998, ele acumulava duas derrotas e três empates.

 

Vale relembrar que nessa campanha, existem dois jogos que são emblemáticos e que nos custaram muito caro: Juventus 1×0 Fluminense, pela segunda rodada, 09/08/1998, e Fluminense 0x0 CRB, pela sétima rodada, 13/09/1998.

 

No primeiro, o jogador Ramos chutou uma bola despretensiosa de longe aos 33 minutos do primeiro tempo. Ronaldo, ex-goleiro do Corinthians, agarrou a bola, deixou-a escapar e a segurou novamente em cima da linha. A bola não entrou, mas, mesmo assim, o juiz, Carlos Jack Rodrigues Magno, deu o gol para o Juventus, que acabou vencendo a partida. A manchete do Globo no dia seguinte dizia: “Gol irregular dá a lanterna ao Fluminense”. Essa foi a única vitória do Juventus no campeonato.

 

No jogo contra o CRB, numa manhã de sol na Rua Bariri, houve um lance curioso. Aos 29 minutos do segundo tempo, com o Fluminense pressionado, nervoso e jogando muito mal, Sergio Alves, jogador tricolor, disputou uma bola no alto, dentro da área do CRB, com o jogador Soares da equipe alagoana. O juiz, Alexandre Barreto, viu pênalti para o Fluminense, marcou a penalidade, mas depois voltou atrás e cancelou a marcação. Não existem imagens dessa jogada no Youtube, mas o Globo do dia 14/09/1998 disse que não foi pênalti:

 

“Alexandre Barreto apitou e apontou para a marca do pênalti, como se tivesse visto Soares tocar com a mão na bola, o que não aconteceu. Cercado pelos alagoanos, voltou atrás”.

 

Pelos flashes que eu tenho na minha memória, não tenho condições de dizer se foi ou não pênalti. Agora, eu não me lembro quantas vezes na minha vida eu vi um juiz marcar um pênalti e voltar atrás. Quando eu me faço essa pergunta, eu só me lembro dessa jogada, justamente contra o Fluminense na Série B de 1998.

 

Volta-e-meia essas duas jogadas são mencionadas como determinantes para o rebaixamento do Fluminense para a Série C. Não foram. O clube fez uma péssima campanha, sobre todos os aspectos, do início ao fim de sua participação no campeonato[1].

 

Se um clube começasse o campeonato sem um time organizado e competitivo, dificilmente ele conseguiria corrigir os problemas tendo apenas 10 jogos para disputar. Foi o que aconteceu com o Fluminense, que teve seu rebaixamento para a Série C decidido em apenas 10 jogos.

 

 

O que aconteceu com a Série B depois da queda do Fluminense para a Série C de 1999?

O que é mais triste nessa história, é que foi preciso um clube como o Fluminense ser rebaixado para a Série C para que a CBF mudasse a organização da Fase Classificatória da Série B, abandonando o modelo com poucos jogos que foi utilizado de 1988 a 1998.

 

Já em 1999, a Série B, disputada por 22 clubes, teve uma Fase Classificatória onde todos jogavam contra todos, num total de 21 jogos para cada clube.

 

Em 2000, por causa da Copa João Havelange, não houve Série B. Em 2001, a Série B foi um pouco diferente da edição de 1999. Os 28 clubes foram organizados em dois grupos com 14 clubes cada. A Fase Classificatória foi disputada em turno e returno, com cada clube jogando contra os adversários do seu grupo num total de 26 partidas.

 

Em 1998, o Fluminense teve 10 partidas. Em 1999, um clube teve 21. Em 2001, 26.

 

De 2002 a 2005, a Série B foi disputada com uma Fase Classificatória em turno único. Em 2002, o campeonato teve 26 clubes com 25 jogos. Em 2003 e 2004, 24 clubes com 23 jogos. Em 2005, 22 clubes com 21 jogos.

 

Em 2005, foi a vez do Bahia, campeão brasileiro de 1988, cair para a Série C. Ele teve 21 jogos para definir o seu destino, contra apenas 10 do Fluminense em 1998. Depois do rebaixamento do Bahia, a CBF adotou os pontos corridos na Série B a partir de 2006 com 20 clubes. Esse sistema já funcionava na Série A desde 2003 (inicialmente com 24 clubes, até chegar a 20 clubes em 2006).

 

Com os pontos corridos, cada clube da Série B passou a ter 38 jogos, repetindo, 38 jogos para definir o seu destino. O Guarani, campeão brasileiro de 1978, foi rebaixado para a Série C já no sistema de pontos corridos com 38 jogos.

 

O Fluminense teve que passar a vergonha de ser rebaixado para a Série C com apenas 10 jogos para que a CBF se desse conta e mudasse a fórmula de disputa do campeonato, aumentando a quantidade de jogos até chegar ao modelo atual com 38 partidas. Quem veio depois do Fluminense, teve condições completamente distintas às nossas em 1998.

 

É por isso que quando eu olho para essa história, eu concluo que é quase impossível um campeão brasileiro passar novamente pela Série C, a não ser que passe por um processo assombroso de decadência similar ao do Guarani.

 

Por mais que um clube erre na montagem do time, que o time não corresponda, que haja problemas no grupo, que o técnico não tenha liderança, que ninguém se entenda na diretoria, etc, com as condições atuais, um clube tem tempo para reorganizar a casa, se recuperar e se salvar. Foi isso o que aconteceu com o próprio Fluminense em 2009. O clube rumava a passos largos para a Série B, mas teve tempo para corrigir a rota e evitar o rebaixamento. Isso permitiu a conquista do Brasileiro do ano seguinte.

 

Em 1998, o Fluminense não teve esse tempo e foi parar na Série C.

 

fluminense-rebaixamento-serie-b-1998-2

Fluminense Football Club, Campeão Brasileiro da Série C de 1999

 

 

Nota [1] – O regulamento da Série B de 1998 era tão maluco que mesmo com a péssima campanha e com os 11 pontos acumulados, o Fluminense poderia ter escapado do rebaixamento. No Grupo B, o Santa Cruz, 10 pontos, jogando no mesmo horário do Fluminense, estava empatando com o Volta Redonda em Recife até os 42 minutos do segundo tempo. Se esse resultado tivesse se mantido, o clube pernambucano teria somado 11 pontos, terminando como o quinto colocado do Grupo B e sendo rebaixado para a Série C de 1999 pelos critérios de desempate. Os dois clubes teriam empatado na quantidade de pontos, 11, e de vitórias, 3, mas o Fluminense tinha melhor ataque, 12 x 7, e melhor saldo de gols, 0 x -5. O problema é que o Santa Cruz marcou o terceiro gol e venceu a partida, somando 13 pontos, mesmo pontuação do Bahia, quinto colocado do Grupo C. E mesmo que a partida do clube pernambucano tivesse terminado empatada, no dia 09/08/1998, três dias após o término da Fase Classificatória, o Santa Cruz ganhou no STJD os três pontos de sua primeira partida no campeonato em que foi derrotado por 4×0 pelo Volta Redonda devido a escalação irregular de um jogador por parte do clube fluminense (o STJD deu a vitória ao Santa Cruz por 2×0). Com isso, o clube pernambucano chegou a 16 pontos. Fazendo um exercício hipotético, se o Santa Cruz tivesse empatado com o Volta Redonda em Recife em 2×2, teria sido rebaixado, mas três dias depois, com os pontos recebidos no STJD, teria se salvado. E o Fluminense, que teria se mantido na Série B, apesar da péssima campanha, teria sido rebaixado 3 dias depois do fim da Fase Classificatória. Se isso tivesse acontecido, as repercussões teriam sido imprevisíveis.

 

Em outro cenário, mesmo que o Fluminense tivesse vencido o ABC, ele teria chegado a 13 pontos, mesma pontuação de Santa Cruz e Bahia. Num primeiro momento, o rebaixado teria sido o Santa Cruz, mas como ele ganharia os três pontos da partida contra o Volta Redonda pelo primeiro turno, três dias depois no STJD, o clube pernambucano terminaria somando 16 pontos, fazendo com que a última vaga na Série C de 1999 ficasse entre Fluminense e Bahia. Nesse caso, o Fluminense teria sido rebaixado da mesma forma pois o Bahia tinha mais vitórias: 4×3.

 

Com 11 pontos, o Fluminense só se teria mantido na Série B se o Santa Cruz não tivesse vencido seu jogo e se não tivesse recebido os três pontos do jogo contra o Volta Redonda. Contudo, nada disso aconteceu. Todos esses cálculos, análises e cenários, que mais lembram o trabalho desenvolvido por um engenheiro da NASA, evidenciam a péssima qualidade do regulamento da Série B de 1998. Regulamento bom é regulamento simples e de fácil entendimento, exatamente como são os regulamentos por pontos corridos.

 

fluminense-rebaixamento-serie-b-1998-1

Estado de São Paulo, 10/08/1988, Página E1

“Ato da CBF dá vaga na Série B ao Santa Cruz”.

 

 

Tabelas de todas as divisões do Campeonato Brasileiro desde 1971 (link).

 

Agradecimento: Marcelo Ferreira.

 

Créditos das fotos: a foto principal do artigo foi tirada pelo fotógrafo Guilherme Pinto para o jornal O Globo. Com relação a foto do time do Fluminense, Campeão da Série C de 1999, não me foi possível identificar o seu autor.

 

 

Jorge Priori é tricolor e gosta muito de história