A Copa América: de 1916 a 2016

Com 45 edições já realizadas, a Copa América é disputada desde 1916, sendo mais antiga que a Copa do Mundo (1930) e a Eurocopa (1960). Ela foi chamada de Campeonato Sul-Americano até 1967 (vigésima nona edição). A partir de 1975, trigésima edição, o campeonato passou a se chamar oficialmente “Copa América”, forma pelo qual será tratado nesse texto.

O núcleo original da Copa América foi formado pela Argentina, Brasil, Chile e Uruguai. Em seguida, se juntou o Paraguai. Com o tempo, foram se somando o Peru, Equador, Bolívia, Colômbia e, por último, a Venezuela.

Seus maiores campeões são o Uruguai, com 15 conquistas, Argentina, 14, e Brasil, 8. Assim, considerando o primeiro ano de participação, a quantidade de conquistas e a quantidade de participações pela quantidade de edições realizadas desde que a seleção começou a disputar o campeonato, chegamos aos números a seguir relacionados:

 

  • Uruguai, 1916, 15 conquistas, 43/45;
  • Argentina, 1916, 14 conquistas, 41/45;
  • Brasil, 1916, 8 conquistas, 35/45;
  • Chile, 1916, duas conquistas, 38/45;
  • Paraguai, 1921, duas conquistas, 36/41;
  • Bolívia, 1926, uma conquista, 26/36;
  • Peru, 1927, duas conquistas, 31/35;
  • Equador, 1939, nenhuma conquista, 28/31;
  • Colômbia, 1945, uma conquista, 22/28;
  • Venezuela, 1967, nenhuma conquista, 17/17.

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-uruguai-campeao-1916
Uruguai, 1916. Primeiro Campeão Sul-Americano

 

A Base

Para realização desse análise, busquei uma base única, centralizada e de confiança. Com base nesses critérios, utilizei o excelente trabalho realizado por Martín Tabeira e publicado na RSSSF. Tabeira levantou e organizou as informações de todas as edições da Copa América, desde 1916, com as fichas técnicas de todos os jogos, relação de jogadores convocados, goleadores e juízes. Tabeira também organizou uma seção com as informações triviais e com a lista de discrepâncias que encontrou no decorrer do seu levantamento.

 

As seleções convidadas

A partir de 1993, a Conmebol passou a convidar duas seleções de fora da América do Sul para participarem da Copa América. Os primeiros foram os Estados Unidos,  que organizariam a Copa do Mundo do ano seguinte (1994), e o México. Em 2016, a Copa América do Centenário contou excepcionalmente com 6 seleções convidadas:

 

  1. México, 1993, participou das 10 edições realizadas desde então;
  2. Estados Unidos, 1993, 1995, 2007 e 2016;
  3. Costa Rica, 1997, 2001, 2004, 2011 e 2016;
  4. Japão, 1999;
  5. Honduras, 2001;
  6. Jamaica, 2015 e 2016;
  7. Haiti, 2016;
  8. Panamá, 2016.

 

As seleções convidadas nunca conquistaram uma Copa América. O México foi a seleção que obteve os melhores resultados: vice-campeão em 1993 e 2001, e terceiro colocado em 1997, 1999 e 2007. Considerando as demais seleções, quem chegou mais longe foi Honduras, terceira colocada em 2001, e Estados Unidos, quarto colocado em 1995 e 2016.

Para a edição de 2019, que será realizada no Brasil, foram convidadas as seleções do Japão e do Catar, que sediará a Copa do Mundo de 2022. Será a primeira vez desde 1993 que o México não participará da Copa América.

 

A Segunda Guerra Mundial

A Copa América não deixou de ser disputada durante a Segunda Guerra Mundial, travada de 1939 a 1945. Durante esses anos, o campeonato foi realizado nos anos de 1941, 1942 e 1945. Ela também foi realizada em 1939, nos meses de janeiro e fevereiro, antes do início da Guerra em setembro do mesmo ano. Cabe ressaltar essa informação pois alguns países participaram diretamente do conflito, como o Brasil, e navios foram afundados pelos países do Eixo nas costas das Américas, principalmente nas costas brasileiras. Enquanto a Copa América seguiu, as edições da Copa do Mundo de 1942 e 1946 não tiveram condições de serem realizadas.

A Copa América também foi realizada durante a Primeira Guerra Mundial, mas esse conflito não envolveu diretamente os países Sul-americanos. O Brasil chegou a enviar militares, mas, felizmente, o conflito terminou antes que eles estivessem aptos a se envolver. De 1914 a 1918, a Copa América foi realizada nos anos de 1916 e 1917. Em 1918, ela não foi realizada por causa da Gripe Espanhola, pandemia que vitimou milhões de pessoas pelo Mundo (as estimativas variam de 50 milhões a 100 milhões de mortos). De 1916 a 1927, essa foi a única vez que a Copa América não foi realizada nesse período.

 

 

As formas de disputa da Copa América: Pontos Corridos e Finais

A forma de disputa da Copa América pode ser dividida em duas fases:

 

  1. Fase dos Pontos Corridos, de 1916 a 1967, 29 edições;
  2. Fase das Finais, de 1975 a 2016, 16 edições.

 

1. A Fase dos Pontos Corridos, de 1916 a 1967, 29 edições

A Copa América nasceu como um quadrangular disputado por pontos corridos em turno único. Esse modelo foi adotado nas 5 primeiras edições: 1916, 1917, 1919, 1920 e 1921. Considerando todas as 29 edições disputadas por pontos corridos, a quantidade de seleções variou de no mínimo 3, em 1925, ao máximo de 8, em 1947 e 1949:

 

  • 3 seleções, uma edição: 1925;
  • 4 seleções, dez edições: 1916, 1917, 1919, 1920, 1921, 1923, 1924, 1927, 1929 e 1935;
  • 5 seleções, cinco edições: 1922, 1926, 1939, 1941 e 1959;
  • 6 seleções, cinco edições: 1937, 1946, 1955, 1956 e 1967;
  • 7 seleções, seis edições: 1942, 1945, 1953, 1957, 1959 e 1963;
  • 8 seleções, duas edições, 1947 e 1949.

 

A única vez em que a Copa América foi disputada com turno e returno foi justamente em 1925, quando ela teve a menor quantidade de participantes: Argentina, campeã, Brasil e Paraguai.

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-argentina-campea-1925
Argentina, 1925. Campeã do Sul-Americano com a menor quantidade de participantes

 

Até 1963, 9 seleções haviam participado da Copa América. A Venezuela, décima participante, começou a disputar a competição em 1967. As edições de 1947 e 1949 quase contaram com as 9 seleções, mas em 1947, o Brasil não participou do campeonato organizado pela Argentina. Em 1949, foi a vez da Argentina não participar do campeonato organizado pelo Brasil. As razões das ausências serão explicadas logo adiante.

A primeira vez em que as 10 seleções participaram do campeonato ocorreu em 1975, primeiro campeonato da Fase das Finais.

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-bolivia-campea-1963
Bolívia, Campeã Sul-Americana de 1963, único título boliviano

 

As decisões

Por mais que o campeonato tenha utilizado o sistema de pontos corridos de 1916 a 1967, ele teve dois tipos de finais nesse período. As finais por confronto direto na última rodada dos pontos corridos, 17 vezes, e as finais em partidas extras após duas seleções terminarem empatadas na fase de pontos corridos, 5 vezes.

 

Finais por confronto direto na última rodada dos pontos corridos, 17 vezes

1916, Uruguai 0x0 Argentina, 17/07/1916;

O Uruguai terminou com 5 pontos e a Argentina com 4;

1917, Uruguai 1×0 Argentina, 14/10/1917;

O Uruguai terminou com 6 pontos e a Argentina com 4;

1921, Argentina 1×0 Uruguai, 30/10/1921;

A Argentina terminou com 6 pontos e o Uruguai com 2;

1923, Uruguai 2×0 Argentina, 02/12/1923;

O Uruguai terminou com 6 pontos e a Argentina com 4;

1924, Uruguai 0x0 Argentina, 02/11/1924;

O Uruguai terminou com 5 pontos e a Argentina com 4;

1925, Argentina 2×2 Brasil, 25/12/1925;

A Argentina terminou com 7 pontos e o Brasil com 5;

1935, Uruguai 3×0 Argentina, 27/01/1935;

O Uruguai terminou com 6 pontos e a Argentina com 4;

1939, Peru 2×1 Uruguai, 12/02/1939;

O Peru terminou com 8 pontos e o Uruguai com 6;

1942, Uruguai 1×0 Argentina, 07/02/1942;

O Uruguai terminou com 12 pontos e a Argentina com 10;

1946, Argentina 2×0 Brasil, 10/02/1946;

A Argentina terminou com 10 pontos e o Brasil com 7;

1947, Argentina 3×1 Uruguai, 28/12/1947;

A Argentina terminou com 13 pontos e o Uruguai com 10. O Paraguai terminou na segunda colocação, com 11 pontos, mas ele não tinha mais condições de alcançar a Argentina e nem o Uruguai, caso a equipe celeste tivesse vencido a Argentina;

1955, Argentina 1×0 Chile, 30/03/1955;

A Argentina terminou com 9 pontos e o Chile com 7;

1956, Uruguai 1×0 Argentina, 15/02/1956;

O Uruguai terminou com 9 pontos e a Argentina com 6;

1957, Argentina 3×0 Brasil, 03/04/1957

Esse jogo era a penúltima partida da Argentina, 8 pontos, e a última do Brasil, 7 pontos. Se a Argentina vencesse ou empatasse, o título estaria decidido. Se o Brasil vencesse, a Argentina poderia ser campeã vencendo o Peru, no dia 06/04/1957, ou forçar o jogo extra contra o Brasil caso empatasse com a seleção peruana. Com a vitória sobre o Brasil, a Argentina pôde perder para o Peru por 2×1 sem comprometer o seu título;

Obs.: Por mais que a Argentina ainda tivesse um jogo, o confronto contra o Brasil era o último da equipe brasileira. Por essa razão essa final foi relacionada;

1959, Argentina 1×1 Brasil, 04/04/1959;

A Argentina terminou com 11 pontos e o Brasil com 10;

1963, Bolívia 5×4 Brasil, 31/03/1963;

Bolívia, 9 pontos, Paraguai, 8, e Brasil, 7, chegaram a última rodada do campeonato de 1963 com chances de serem campeões ou de forçarem jogo(s) extra(s) para decisão do título. A Bolívia precisava apenas vencer o Brasil. O Paraguai precisava vencer a Argentina e torcer por uma vitória (seria campeão) ou empate (teria jogo extra) do Brasil contra a Bolívia. O Brasil precisava vencer a Bolívia para forçar um jogo extra e torcer para a Argentina derrotar o Paraguai. Nesse caso, se o Paraguai empatasse com a Argentina, haveria um triangular final.

O Paraguai disse adeus ao campeonato ao empatar com a Argentina por 1×1 no dia 31/03/1963. No mesmo dia, a Bolívia venceu o Brasil por 5×4 e conquistou seu único título;

1967, Uruguai 1×0 Argentina, 02/02/1967;

O Uruguai terminou com 9 pontos e a Argentina com 8.

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-argentina-campea-1959
Argentina, Campeã Sul-Americana de 1959. A Argentina foi a maior campeã da Fase dos Pontos Corridos

 

Finais com jogos extras após empate de pontos na fase dos pontos corridos: 1919, 1922, 1937, 1949 e 1953

Durante a Fase dos Pontos Corridos, a Copa América terminou empatada em cinco oportunidades: 1919, 1922, 1937, 1949 e 1953. Para que cada campeonato fosse definido, houve a realização de uma partida extra. Em todas elas, o Brasil esteve presente, com três vitórias e duas derrotas. Outro aspecto interessante é que três dessas cinco finais foram feitas por Brasil e Paraguai:

 

1919, Brasil 1×0 Uruguai, realizada no Brasil

4 participantes: Brasil, Uruguai, Argentina, Chile

Decisão dentro do Sistema de Pontos corridos e por Jogo Extra

Brasil e Uruguai, ambos com 4 pontos, fizeram a decisão do título na última rodada dos pontos corridos. A seleção que vencesse a partida seria campeã. Se houvesse empate, haveria um jogo extra para decisão do título. No dia 26/05/1919, Brasil e Uruguai empataram em 2×2 no estádio das Laranjeiras e terminaram empatados com 5 pontos. No dia 29/05/1919, o Brasil venceu o Uruguai por 1×0, novamente nas Laranjeiras,  depois de duas prorrogações de 30 minutos e conquistou a sua primeira Copa América.

Esse é o jogo mais longo da história da Copa América (Tempo Normal mais duas prorrogações de 30 minutos, 150 minutos no total).

 

1922, Brasil 3×0 Paraguai, realizada no Brasil

5 participantes: Brasil, Paraguai, Uruguai, Argentina e Chile

Decisão por Jogo Extra

A edição de 1922 terminou com Uruguai, Brasil e Paraguai empatados com 5 pontos. Essa foi a única vez em que três times chegaram empatados ao final dos pontos corridos. Contudo, esse título poderia ter sido definido sem a necessidade de jogo extra.

 

  • Na sua última partida pelo campeonato, o Uruguai, 5 pontos, foi derrotado por 1×0 pelo Paraguai, 3 pontos, no dia 12/10/1922. Se o Uruguai tivesse vencido esse jogo, ele teria terminado com 7 pontos e teria conquistado o campeonato, pois não haveria mais como ser alcançado por outra seleção;

 

  • Depois de vencer o Uruguai por 1×0 e chegar aos 5 pontos, o Paraguai teve a chance de conquistar a sua primeira Copa América. Para isso, bastaria vencer ou empatar com a Argentina, adversário do dia 18/10/1922. Contudo, a Argentina venceu o Paraguai por 2×0, que ficou estacionado com 5 pontos, mesma pontuação de Brasil e Uruguai.

 

Correndo por fora, o Brasil venceu a Argentina em sua última partida dos pontos corridos por 2×0, no dia 15/10/1922, terminando com a mesma pontuação do Uruguai, que já havia terminado a sua participação, e do Paraguai, que seria derrotado pela mesma Argentina três dias depois.

O triangular final não foi realizado por causa das reclamações contra os dois árbitros brasileiros. Depois de ser derrotado pelo Paraguai e perder a chance de conquistar a Copa América, o Uruguai abandonou o campeonato reclamando da arbitragem do brasileiro Pedro Santos. Com relação ao Paraguai, a equipe chegou a deixar o campo no jogo em perdeu para a Argentina por 2×0 pelo mesmo motivo: a arbitragem do brasileiro Enrique Vignal. Apesar das muitas reclamações, o Paraguai não abandonou o campeonato.

Empatados com 5 pontos, no dia 22/10/1922, o Brasil derrotou o Paraguai por 3×0 nas Laranjeiras e conquistou a sua segunda Copa América.

 

1937, Argentina 2×0 Brasil, realizada na Argentina

6 participantes: Argentina, Brasil, Uruguai, Paraguai, Chile e Peru

Decisão dentro do Sistema de Pontos corridos e por Jogo Extra

Brasil e Argentina fizeram a decisão do título na última rodada dos pontos corridos. Ao Brasil, com 8 pontos, bastava o empate. A Argentina, 6 pontos, precisava vencer o jogo para forçar a partida extra. No dia 30/01/1937, a Argentina derrotou o Brasil por 1×0 e chegou aos 8 pontos. No dia seguinte, 01/02/1937, a Argentina derrotou o Brasil por 2×0, os dois gols marcados na prorrogação, e se sagrou campeã, conquistando a sua quinta Copa América;

 

1949, Brasil 7×0 Paraguai, realizada no Brasil

8 participantes: Brasil, Paraguai, Peru, Bolívia, Chile, Uruguai, Equador e Colômbia

Decisão dentro do Sistema de Pontos corridos e por Jogo Extra

Brasil e Paraguai fizeram a decisão do título na última rodada dos pontos corridos. Ao Brasil, com 12 pontos, bastava o empate. O Paraguai, 10 pontos, precisava vencer o jogo para forçar a partida extra. No dia 08/05/1949, o Paraguai derrotou o Brasil por 2×1 em São Januário e chegou aos 12 pontos. No dia 11/05/1949, o Brasil derrotou o Paraguai por 7×0, novamente em São Januário, e se sagrou campeão da Copa América pela quarta vez.

 

1953, Paraguai 3×2 Brasil, realizada no Peru

7 participantes: Paraguai, Brasil, Uruguai, Chile, Peru, Bolívia e Equador

Decisão dentro do Sistema de Pontos corridos e por Jogo Extra

Brasil, 8 pontos, Peru, 7, Paraguai, 6, e Chile, 6, chegaram a última rodada com chances de serem campeões ou de participarem do(s) jogo(s) extra(s) para decisão do título.

Brasil, 8 pontos, e Paraguai, 6, se enfrentaram pela última rodada do campeonato. Se o Brasil vencesse, somaria 10 pontos e seria campeão pois não teria mais como ser alcançado pelo Peru, que poderia terminar com 9 pontos se vencesse o Uruguai. No dia 27/03/1953, o Paraguai derrotou o Brasil por 2×1 e chegou aos 8 pontos. Agora seria esperar o Peru, que jogaria no dia seguinte.

No dia 28/05/1953, o Chile, 6 pontos, empatou em 2×2 com a já eliminada Bolívia e terminou com 7 pontos, desperdiçando a chance de empatar com Brasil e Paraguai com 8 pontos.

Assim, bastaria ao Peru, 7 pontos, derrotar o já eliminado Uruguai para somar 9 pontos e conquistar a sua segunda Copa América. Contudo, o Peru perdeu por 3×0 e disse adeus ao campeonato diante de sua torcida no dia 28/05/1953.

Se uma das duas seleções, Peru e Chile, tivesse somado 8 pontos, teria havido um triangular final, forma de decisão que quase ocorreu em 1919. Se as duas seleções tivessem somado 8 pontos, teria havido um inédito quadrangular final.

Após terminarem isolados com 8 pontos na Fase dos Pontos Corridos, o Paraguai derrotou o Brasil por 3×2 no dia 01/04/1953 e se sagrou campeão da Copa América pela primeira vez.

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-brasil-campeao-1922
Brasil, Campeão Sul-Americano de 1922. O Brasil correu por fora, viu Uruguai e Paraguai desperdiçarem suas chances de se sagrarem campeões, venceu a final contra o Paraguai e levou o campeonato
historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-paraguai-campeao-1953
Paraguai, Campeão Sul-Americano de 1953. O Paraguai derrotou o Brasil na final dos pontos corridos e no jogo extra

 

Pontos corridos com uma fase classificatória: 1967

Desse período, a edição de 1967, última da Fase dos Pontos Corridos, foi a única disputada com a realização preliminar de uma fase classificatória composta por duas chaves: Chile x Colômbia e Equador x Paraguai. O Chile se classificou após vencer a Colômbia por 5×2 em Santiago, no dia 30/11/1966, e empatar por 0x0 em Bogotá, no dia 11/12/1966. Na outra chave, o Paraguai se classificou após empatar com o Equador por 2×2 em Guayaquil, no dia 21/12/1966, e vencer por 3×1 em Assunção, no dia 28/12/1966.

Definidas as chaves, a disputa dos pontos corridos foi iniciada no dia 13/01/1967 com a participação de seis seleções: Uruguai, que se sagrou campeão, Argentina, Chile, Paraguai, Venezuela e Bolívia.

 

Os 29 Campeões da Fase dos Pontos Corridos

Considerando apenas os 29 campeonatos da Fase dos Pontos Corridos, os maiores vencedores desse período foram:

 

  • Argentina, 12 títulos, 26 participações em 29 edições realizadas*;
  • Uruguai, 11 títulos, 27 participações em 29 edições realizadas*;
  • Brasil, 3 títulos, 19 participações em 29 edições realizadas*;
  • Peru, 1 título, 15 participações em 19 edições realizadas*;
  • Paraguai, 1 título, 20 participações em 25 edições realizadas*;
  • Bolívia, 1 título, 10 participações em 20 edições realizadas*.

 

*Edições realizadas a partir de sua primeira participação.

 

Chile (22/29), Equador (12/15), Colômbia (6/12) e Venezuela (1/1), não venceram a Copa América nesse período.

 

A final de 1946: uma pancadaria histórica entre Brasil e Argentina e suas consequências

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-pancadaria-brasil-x-argentina-1946
Na final do campeonato de 1946, realizada no dia 10/02/1946, quem estava no campo, saiu na porrada

 

O jogo da final da Copa América de 1946 disputado entre Brasil e Argentina, última rodada dos pontos corridos, teve uma pancadaria generalizada aos 30 minutos do primeiro tempo que suspendeu o jogo por 70 minutos quando o placar ainda marcava 0x0. Durante a briga, a intervenção da polícia só fez piorar as coisas, pois eles partiram para cima dos jogadores brasileiros.

No artigo “Aquella Patada de Jair a Salomón” publicado pelo site do El País no dia 04/07/2015, o jornal espanhol trás o relato de Félix Daniel Frascara, um dos principais jornalistas da história da revista esportiva El Gráfico:

 

 

“(…) momento em que explodiu a agressão coletiva. Salomão, caído após um choque com Jair; Fonda e Strembel perseguiram Chico e Jair; socos e pontapés; agitação geral, confusão, tropeções, paus; invasão do campo por inúmeros policiais; Chico, depois de brigar com Pescia, é perseguido por Marante, recebe um chute, continua sua corrida em direção ao túnel, e os policiais, diante da impossibilidade de alcançá-lo com os braços, tentam derrubá-lo com as pernas; Chico cai diante o mesmo palco formado por jornalistas, e passa a ser golpeado, até que o deixam recomeçar sua corrida até os vestiários, tendo a cabeça dolorida e olhando, confuso, com expressão de terror, para o resto do campo onde – amarga ironia – se prolonga a briga. São 5 ou 10 minutos de loucura incrível. A polícia, excessivamente numerosa, foi também excessiva e desnecessariamente enérgica. Atenuada a briga, aliviados os punhos e os pés, os jogadores brasileiros vão para o vestiário, enquanto os jogadores argentinos ficam em campo. Transcorre uma hora e 11 minutos até o momento em que o jogo é reiniciado. Na verdade, o jogo não recomeçou. Pelo menos o jogo não tinha nada a ver com o que havíamos presenciado antes do escândalo. O juiz decidiu expulsar Chico e De la Mata, de maneira que cada time voltou com 10 jogadores. Salomón não estava no time argentino. O capitão havia sido a vítima mais séria: fratura dupla na perna direita.”

 

 

Reiniciada a partida, Méndez marcou aos 38 minutos do primeiro tempo e aos 10 minutos do segundo. Vitória e título da Argentina. A partida foi finalizada, mas a confusão renderia por mais tempo, mais precisamente 10 anos. Depois da briga, Brasil e Argentina passaram a se negar a jogar um contra o outro. Foram 4 edições onde se um fosse, o outro não ia:

 

  • 1947, Sede Equador, Argentina disputou e foi campeã; o Brasil não disputou o campeonato;
  • 1949, Sede Brasil, Brasil disputou e foi campeão; a Argentina não disputou o campeonato;
  • 1953, Sede Peru, Brasil disputou e foi vice-campeão; a Argentina não disputou o campeonato;
  • 1955, Sede Chile, a Argentina disputou e foi campeã; o Brasil não disputou o campeonato.

 

As duas seleções se reencontraram na Copa América de 1956, quando o Uruguai sediou e venceu o campeonato. Nessa edição, o Brasil venceu a Argentina por 1×0 no dia 05/02/1956.

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-argentina-campea-1946
Argentina, Campeã Sul-Americana de 1946. Depois dessa final, Brasil e Argentina ficaram 10 anos sem jogar um contra o outro

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-1946-brasil
Seleção Brasileira que disputou o Campeonato Sul-Americano de 1946. Esse é o time que enfrentou o Paraguai pela terceira rodada. Nesse jogo, a seleção foi representada por Ary, Domingos da Guia e Norival; Zezé Procópio (Ivan), Ruy e Aleixo; Tesourinha, Zizinho, Leônidas da Silva, Ademir Menezes e Chico (Heleno de Freitas). Essa relação de nomes não está na sequência da foto. Fonte: CBF.

 

2. A Fase das Finais, de 1975 a 2016, 16 edições

Depois da edição de 1967, a Copa América voltou a ser realizada em 1975. Esse foi o período mais longo sem a realização do campeonato: 8 anos. Com o retorno, o sistema de disputa por pontos corridos foi substituído por um sistema similar ao da Copa do Mundo: uma fase classificatória, organizada em grupos, e uma fase final.

Desde então, a Copa América passou a ser disputada regularmente com intervalos de 2, 3 e 4 anos. A quantidade de seleções também foi estabilizada:

 

  • As edições de 1975, 1979, 1983, 1987, 1989 e 1991, 6 no total, foram realizadas com 10 seleções, todas sul-americanas;

 

  • As edições de 1993, 1995, 1997, 1999, 2001, 2004, 2007, 2011 e 2015, 9 no total, foram realizadas com as 10 seleções sul-americanas e duas seleções convidadas de fora do continente.

 

A edição de 2016, que marcou os 100 anos da Copa América, foi disputada por 16 seleções, sendo 6 delas convidadas.

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-peru-campeao-1975
Peru, Campeão da Copa América de 1975, primeiro campeonato da Fase das Finais

 

As três formas de disputa desse período

As edições da Copa América disputadas a partir de 1975 são caracterizadas por uma fase classificatória e uma fase final, porém existem três formas de disputa bem definidas e, diga-se de passagem, bem organizadas dentro desse período:

 

  • 3 Grupos com 3 seleções cada, onde o primeiro colocado de cada grupo se classificava para as semi-finais. O quarto semi-finalista era a seleção campeã da edição anterior. Essa fórmula foi utilizada nas edições de 1975, 1979, 1983 e 1987, 4 no total;

 

  • 2 Grupos com 5 seleções cada, onde os dois primeiros colocados se classificavam para um quadrangular final. Essa fórmula foi utilizada apenas em duas edições: 1989 e 1991;

 

  • 3 Grupos com 4 seleções cada, onde os dois primeiros colocados se classificavam para as quartas-de-final. Os outros dois classificados eram os dois melhores terceiros colocados dos 3 Grupos. Essa fórmula é utilizada desde 1993, passando pelas edições de 1995, 1997, 1999, 2001, 2004, 2007, 2011 e 2015, 9 no total.

 

A Copa América do Centenário, realizada em 2016 nos Estados Unidos, contou, pela primeira vez, com 16 participantes. As seleções foram organizadas em 4 Grupos com 4 seleções, onde os dois primeiros colocados se classificavam para as quartas-de-final. A edição de 2019 voltará a ser realizada com 12 seleções.

 

As decisões a partir das semifinais: 1975, 1979, 1983 e 1987

 

1975 – Brasil, Grupo 1, Peru, Grupo 2, e Colômbia, Grupo 3, se classificaram para as semifinais. O quarto semifinalista foi o Uruguai, campeão de 1967. A Colômbia se classificou para a final após vencer o Uruguai por 3×0 em Bogotá, 21/09/1975, e perder por 1×0 em Montevideu, 01/10/1975. O Peru se classificou após vencer o Brasil por 3×1 em Belo Horinzonte, 30/09/1975, e perder por 2×0 em Lima, 04/10/1975.

O Peru se sagrou campeão após perder para a Colômbia por 1×0 em Bogotá, 16/10/1975, vencer por 2×0 em Lima, 22/10/1975, e por 1×0 em Caracas, 28/10/1975;

 

1979 – Chile, Grupo 1, Brasil, Grupo 2, e Paraguai, Grupo 3, se classificaram para as semifinais. O quarto semifinalista foi o Peru, campeão de 1975. O Chile se classificou para a final após vencer o Peru por 2×1 em Lima, 17/10/1979, e empatar por 0x0 em Santiago, 24/10/1979. O Paraguai se classificou após vencer o Brasil por 2×1 em Assunção, 24/10/1979, e empatar por 2×2 no Rio de Janeiro, 31/10/1979.

O Paraguai se sagrou campeão após vencer o Chile por 3×0 em Assunção, 28/11/1979, perder por 1×0 em Santiago, 05/12/1979, e empatar por 0x0 em Buenos Aires, 11/12/1979;

 

1983 – Uruguai, Grupo 1, Brasil, Grupo 2, e Peru, Grupo 3, se classificaram para as semifinais. O quarto semifinalista foi o Paraguai, campeão de 1979. O Uruguai se classificou para a final após vencer o Peru por 1×0 em Lima, 13/10/1983, e empatar por 1×1 em Montevideu, 20/10/1983. O Brasil se classificou após empatar com o Paraguai por 1×1 em Assunção, 13/10/1983, e por 0x0 em Uberlândia, 20/10/1983.

O Uruguai se sagrou campeão após vencer o Brasil por 2×0 em Montevideu, 27/10/1983, e empatar em 1×1 em Salvador, 04/11/1983;

 

1987 – Argentina, Grupo A, Chile, Grupo B, e Colômbia, Grupo C, se classificaram para as semifinais. O quarto semifinalista foi o Uruguai, campeão de 1983. O Chile se classificou para a final após vencer a Colômbia por 2×1 em Córdoba, 08/07/1987. O Uruguai se classificou após vencer a Argentina por 1×0 em Buenos Aires, 09/07/1987.

O Uruguai se sagrou bicampeão após vencer o Chile por 1×0 em Buenos Aires no dia 12/07/1987. Essa foi a primeira Copa América que teve a disputa do terceiro colocado: Colômbia 2×1 Argentina, Buenos Aires, 11/07/1987.

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-1987-uruguai-campeao
Uruguai, Bicampeão da Copa América, 1983 e 1987

 

Os quadrangulares finais: 1989 e 1991

 

1989 – Paraguai e Brasil se classificaram para o quadrangular final pelo Grupo A, e Argentina e Uruguai, pelo Grupo B. Disputado em turno único, Brasil e Uruguai chegaram à última rodada com duas vitórias cada. No dia 16/07/1989, o Brasil derrotou o Uruguai por 1×0 no Maracanã e conquistou a sua quarta Copa América;

 

1991 – Argentina e Chile se classificaram para o quadrangular final pelo Grupo A, e Colômbia e Brasil, pelo Grupo B. Disputado em turno único, a Argentina se sagrou campeã ao vencer a Colômbia por 2×1 no dia 21/07/1991, em Santiago, e somar 5 pontos. Com a vitória da Argentina, o Brasil terminou na segunda colocação, com 4 pontos, após o vencer o Chile por 2×0 no dia 21/07/1991, em Santiago. Essa foi a décima terceira Copa América conquistada pela Argentina.

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-brasil-campeao-1989
Brasil, Campeão da Copa América de 1989. No período de 1949 a 1989, 40 anos, o Brasil participou de 10/12 edições da Copa América

 

As decisões a partir das quartas-de-final: 1993, 1995, 1997, 1999, 2001, 2004, 2007, 2011, 2015 e 2016

A partir de 1993, a Copa América passou a ser disputada por 12 seleções com a fase final a partir das quartas de final. A exceção foi a Copa América de 2016 que teve 16 participantes. Outra característica desse período é o início das seleções convidadas. Nesse período, as decisões foram:

 

1993, Argentina 2×1 México, 04/07/1993, Guayaquil;

Terceiro colocado: Colômbia 1×0 Equador, 03/07/1993, Porto Viejo;

1995, Uruguai 1×1 Brasil, 23/07/1995, Montevideu;

Terceiro colocado: Colômbia 4×1 Estados Unidos, 22/07/1995, Maldonado;

1997, Brasil 3×1 Bolívia, 29/06/1997, La Paz;

Terceiro colocado: México 1×0 Peru, 28/06/1997, Oruro;

1999, Brasil 3×0 Uruguai, 18/07/1999, Assunção;

Terceiro colocado: México 2×1 Chile, 17/07/1999, Assunção;

2001, Colômbia 1×0 México, 29/07/2001, Bogotá;

Terceiro colocado: Honduras 2×2 Uruguai, 5×4 nos pênaltis, 28/07/2001, Bogotá;

Obs.: a Argentina não participou da Copa América desse ano.

2004, Brasil 2×2 Argentina, 4×2 nos pênaltis, 25/07/2004, Lima;

Terceiro colocado: Uruguai 2×1 Colômbia, 24/07/2004, Cuzco;

2007, Brasil 3×0 Argentina, 15/07/2007, Maracaibo;

Terceiro colocado: México 3×1 Uruguai, 14/07/2007, Caracas;

2011, Uruguai 3×0 Paraguai, 24/07/2011, Buenos Aires;

Terceiro colocado: Peru 4×1 Venezuela, 23/07/2011, La Plata;

2015, Chile 0x0 Argentina, 4×1 nos pênaltis, 04/07/2015, Santiago;

Terceiro colocado: Peru 2×0 Paraguai, 03/07/2015, Concepción;

2016, Chile 0x0 Argentina, 4×2 nos pênaltis, 26/06/2016, East Rutherford;

Terceiro colocado: Colômbia 1×0 Estados Unidos, 25/06/2016, Glendale;

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-colombia-campea-2001
Colômbia, Campeã da Copa América de 2001, único título colombiano

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-2016-chile-campeao-3
Chile, Bicampeão da Copa América 2015 e 2016

 

Os 16 Campeões da Fase das Finais

Considerando apenas os 16 campeonatos da Fase das Finais, os maiores vencedores foram:

 

  • Brasil, 5 títulos, 16 participações em 16 edições;
  • Uruguai, 4 títulos, 16 participações em 16 edições;
  • Argentina, 2 títulos, 15 participações em 16 edições;
  • Chile, 2 títulos, 16 participações em 16 edições;
  • Peru, Paraguai e Colômbia, 1 título cada, 16 participações em 16 edições.

 

Os troféus: Copa América e Copa América Centenário

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-trofeus

 

O Troféu Copa América

Em toda a sua história, a Copa América teve apenas dois troféus. O Troféu mais antigo se chama “Copa América”. Ele é feito de prata e é um dos mais antigos do mundo, possuindo mais de 100 anos.

A posse da Copa América é transitória e não existe condição para que ela fique em definitivo com uma seleção.

 

Reglamento de la Copa América Chile 2015

Capítulo XII, Artículo 37, Trofeos, Distinciones y medallas

1) La Asociación Nacional cuyo equipo resulte ganador del certamen, recibirá la Copa América, y una réplica; a la que ocupe el segundo puesto, la Copa Bolivia;

4) La posesión de los Trofeos Copa América e Copa Bolivia será temporaria, y deberán ser devueltos a la CONMEBOL en ocasión del sorteo de la siguiente edicíon certamen.

 

A base de madeira com as placas dos campeões foi posta para a edição de 1979, vencida pelo Paraguai.

Existem divergências quanto a implementação do Troféu, se em 1916, já na primeira edição, ou em 1917, na segunda edição. O fato é que ele foi feito em Buenos Aires pela joalheria e relojoaria Casa Escasany, fechada em 1978, sob encomenda do Ministério das Relações Exteriores da Argentina para ser doado à CONMEBOL, fundada em 09/07/1916, dois dias depois do início do Campeonato Sul-Americano de 1916.

 

O Troféu Copa América Centenário

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-trofeus-2

 

O segundo troféu foi feito especificamente para a Copa América Centenário, 2016, e ficou em definitivo com o Chile. Ele foi projetado pela americana Épico Studios e produzido pela inglesa Thomas Lyte. O Troféu é feito de metal, com acabamento interno de prata e banhado a ouro em sua parte externa, possuindo a inscrição “Copa América, Centenário, USA-2016” e os nomes das 16 seleções que participaram desse campeonato.

 

Comentários sobre o Brasil, Argentina e Uruguai

Brasil

O Brasil fez parte do núcleo que deu origem a Copa América, mas durante a Fase dos Pontos Corridos, a seleção brasileira participou de 19 das 29 edições realizadas entre 1916 e 1967, tendo conquistado os títulos de 1919, 1922 e 1949. Por mais que o Brasil não tenha participado de 10 edições, onde duas ausências são explicadas pelo problema da final de 1946, não acredito que a seleção brasileira tenha visto a Copa América com indiferença. Dentro do sistema de pontos corridos, o Brasil foi derrotado nas decisões de 1925, 1946, 1957, 1959 e 1963. Nos jogos extras decisivos, o Brasil foi derrotado nas decisões de 1937 e 1953. Além das finais, o Brasil ficou na segunda colocação em 1921 e 1945. Enfim, não houve falta de compromisso do Brasil. O que houve é que o Brasil tinha seleções competitivas, conquistou três títulos, mas a Argentina e o Uruguai tinham seleções melhores e participaram mais vezes do campeonato.

Em 1975, tem início a Fase das Finais com 16 edições já realizadas. Desde então, o Brasil conquistou 5 títulos, sendo o maior vencedor do período. Além disso, a seleção brasileira foi vice-campeã em 1983 e 1995, e terminou na segunda colocação do quadrangular final de 1991.

Na Fase das Finais, o Brasil venceu a Copa América pela primeira vez em 1989, depois de conquistar o título pela última vez em 1949 (uma espera de 40 anos, com 10 participações em 12 edições realizadas). Quando engrenou, o Brasil conquistou 4 títulos em 5 edições: 1997, 1999, 2004 e 2007.

 

Uruguai

O Uruguai foi vencedor nos dois períodos. Na Fase dos Pontos Corridos, foram 11 títulos com 27 participações em 29 edições realizadas. Quando as finais foram adotadas a partir de 1975, o Uruguai conquistou 4 títulos em 16 edições realizadas, 1983, 1987, 1995 e 2011; foi vice-campeão em 1999 e terminou na segunda colocação do quadrangular final de 1989. Ao contrário da Argentina, o Uruguai possui seus títulos bem distribuídos nas duas fases do campeonato.

 

Argentina

Dos 14 títulos argentinos, 12 foram conquistados na Fase dos Pontos Corridos, sendo o último em 1959. Com o início da Fase das Finais, a Argentina conquistou os títulos de 1991 e 1993, e os vice-campeonatos de 2004, 2007, 2015 e 2016. Quando a Argentina conquistou o título de 1991, ela já estava há 32 anos sem ganhar a Copa América, tendo participado das 8 edições realizadas nesse período (do segundo campeonato de 1959 a 1989).

Até mesmo as Copas de 1978 e 1986 são anteriores a Copa América de 1993. Em outras palavras: a Argentina simplesmente parou de conquistar títulos.

As medalhas de ouro conquistadas nas Olímpiadas de 2004 e 2008 não amenizam esse quadro, pois nessa competição, os países não são representados pelas seleções principais.

 

historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-1963-bolivia-campea-2
Bolívia, 1963
historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-1975-peru-campeao-2
Peru, 1975
historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-1979-paraguai-campeao
Paraguai, 1979
historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-1989-brasil-campeao-2
Brasil, 1989
historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-1993-argentina-campea
Argentina, 1993
historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-2001-colombia-campea-2
Colômbia, 2001
historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-2011-uruguai-campeao
Uruguai, 2011
historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-2015-chile-campeao
Chile, 2015
historiadores-dos-esportes-copa-america-de-1916-a-2016-2016-chile-campeao-2
Chile, 2016, Copa América Centenário

 

Informações:

 

El País, Final de 1946

Thomas Lyte, fabricante do Troféu Copa América Centenário

Épico Studios, projetista do Troféu Copa América Centenário

 

 

Jorge Priori é torcedor do Fluminense e gosta muito de história.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s