A história das finais do campeonato paulista de futebol: de 1902 a 2018

O Campeonato de Futebol da Primeira Divisão de São Paulo é o mais antigo do Brasil, sendo disputado desde 1902. A história de suas finais pode ser dividida em duas fases. A primeira fase vai de 1902 a 1972, sendo ela caracterizada pelos campeonatos de pontos corridos. Essa fase durou 71 anos e teve 81 campeonatos. São Paulo teve dois campeonatos nos anos de 1913, 1914, 1915, 1916, 1926, 1927, 1928, 1929, 1935 e 1936.

 

A segunda fase começa em 1973 e vai até os dias atuais, sendo ela caracterizada pelos campeonatos com finais. Essa fase já dura 46 anos e teve 47 campeonatos. Em 2002, além do Estadual vencido pelo Ituano, houve o supercampeonato vencido pelo São Paulo.

 

Nos campeonatos de pontos corridos, o clube que somasse mais pontos seria o campeão. Dos 81 campeonatos desse período, 57 foram definidos dentro desse sistema; 11 foram definidos dentro desse sistema mas com confronto direto nas últimas duas rodadas, ou seja, autênticas finais; 10 foram definidos com partidas extras por dois clubes; dois foram definidos através de um quadrangular final previsto no regulamento e um através de uma final prevista no regulamento.

 

Os campeonatos com finais são caracterizados pelo confronto para decisão do campeão. Dos 47 campeonatos já disputados, 39 foram decididos com finais entre dois clubes e um através de um quadrangular final. Os outros 7 campeonatos foram disputados no sistema de pontos corridos.

 

Enquanto os campeonatos da Fase das Finais foram todos organizados pela Federação Paulista de Futebol (FPF), os campeonatos da Fase dos Pontos Corridos foram organizados por sete organizações:

 

Liga Paulista de Football (LPF), de 1902 a 1916;

Associação Paulista de Esportes Atléticos (APEA), de 1913 a 1936;

Liga dos Amadores de Futebol (LAF), de 1926, 1927, 1928 e 1929;

Liga Paulista de Futebol (LPF), 1935 e 1936;

Liga de Futebol Paulista (LFP), 1937;

Liga de Futebol do Estado de São Paulo (LFESP), de 1938, 1939 e 1940;

Federação Paulista de Futebol (FPF), a partir de 1941 em diante.

 

Ressalto que todos os campeonatos, independente de quem os organizou, foram reconhecidos pela FPF.

 

1 – A fase dos Campeonatos por Pontos Corridos – de 1902 a 1972

A fórmula dos pontos corridos foi adotada durante 71 anos. Durante esse período, o campeonato teve apenas 3 exceções:

 

O campeonato de 1927, organizado pela Associação Paulista de Esportes Atléticos, decidido num segundo turno, ou quadrangular final, disputado por Palestra Itália (campeão), Santos, Corinthians e Guarani;

O campeonato de 1936, organizado pela Liga Paulista de Futebol, disputado por 12 clubes em turno e returno, onde o campeão do turno, Corinthians, enfrentaria o campeão do returno, Palestra Itália, que adotaria o nome Palmeiras em 1942, em três partidas decisivas: Palestra Itália 1×0; 0x0 e Palestra Itália 2×1;

O campeonato de 1969, organizado pela Federação Paulista de Futebol, decidido num quadrangular final disputado por Santos (campeão), Palmeiras, São Paulo e Corinthians.

 

Assim, considerando os 81 campeonatos disputados durante os 71 anos da fase dos pontos corridos, nós chegamos aos números a seguir relacionados:

 

57 campeonatos foram decididos dentro do sistema de pontos corridos, sem confronto direto nas últimas duas rodadas: 1905, 1906, 1907, 1908, 1910, 1911, 1912, 1913 (LPF), 1913 (APEA), 1914 (LPF), 1915 (LPF), 1915 (APEA), 1916 (LPF), 1916 (APEA), 1917, 1918, 1919, 1921, 1922, 1923, 1924, 1926 (APEA), 1926 (LAF), 1927 (LAF), 1928 (APEA), 1929 (LAF), 1929 (APEA), 1930, 1932, 1934, 1935 (LPF), 1937, 1938, 1939, 1940, 1941, 1942, 1944, 1945, 1946, 1947, 1948, 1949, 1951, 1952, 1953, 1954, 1955, 1958, 1960, 1961, 1962, 1963, 1965, 1966, 1968 e 1970;

11 campeonatos foram decididos dentro do sistema de pontos corridos com confronto direto nas últimas duas rodadas: 1914 (APEA), 1925, 1931, 1933, 1936 (APEA), 1943, 1950, 1957, 1964, 1971 e 1972;

10 foram decididos em partidas extras após o empate em pontuação durante os pontos corridos: 1902, 1903, 1904, 1909, 1920, 1928 (LAF), 1935 (APEA), 1956, 1959 e 1967;

2 foram decididos com um quadrangular final previsto no regulamento: 1927 (APEA) e 1969;

1 foi decidido numa final prevista no regulamento: 1936 (LPF).

 

A fase dos pontos corridos do campeonato paulista possui alguns aspectos interessantes:

 

Nos primeiros três campeonatos, o primeiro tricampeão

Os primeiros três campeonatos foram vencidos pelo São Paulo Athletic Club, SPAC. Os três campeonatos terminaram com SPAC e Paulistano empatados na fase de pontos corridos (12, 13 e 18 pontos, respectivamente). Cada campeonato foi definido numa partida extra : 1902, 2×1; 1903 2×1, e 1904, 1×0. O SPAC de Charles Miller venceu cada um dos três jogos extras.

 

Muitos abandonos, desclassificações, jogos não realizados e anulados

Considerando as 45 edições realizadas de 1902 a 1936, 20 campeonatos tiveram clubes que abandonaram ou foram desclassificados da competição, ou jogos que não foram realizados ou foram anulados: 1906, 1907, 1911, 1912, 1913 (LPF), 1914 (LPF), 1916 (APEA), 1916 (LPF), 1918, 1919, 1920, 1923, 1924, 1925, 1927 (APEA), 1928 (APEA), 1929 (LAF), 1931, 1935 (APEA) e 1936 (LPF).

 

O Paulistano, clube que mais conquistou títulos de 1902 a 1929, perdeu todas as decisões que disputou

Enquanto teve futebol, o Paulistano conquistou 11 campeonatos. Em compensação, o Paulistano foi derrotado em todas as partidas extras que disputou para definição do campeão: 1902, 1903, 1904, 1909, 1920 e 1928 (LAF). Ele também foi derrotado nas duas decisões que disputou dentro do sistema de pontos corridos: 1914 (APEA) e 1925.

 

Dos primeiros 36 campeonatos, 26 foram conquistados por clubes que não existem mais ou que não praticam mais futebol

Dos 36 campeonatos realizados entre 1902 e 1929, 26 foram conquistados por clubes que já foram extintos (Americano, São Bento e A.A. das Palmeiras); que existem até hoje mas desativaram o departamento de futebol (SPAC, Paulistano e Germânia, atual Pinheiros) ou que deram origem a outros clubes (Internacional):

 

Clubes extintos:

Sport Club Americano, campeão em 1912 e 1913 (LPF), extinto em 1916;

Associação Atlética São Bento, campeão em 1914 (APEA) e 1925, extinto em 1935;

Associação Atlética das Palmeiras, campeã em 1909, 1910 e 1915 (APEA), extinto em 1930. Uma vez extinta, a estrutura física da A.A. das Palmeiras deu origem, junto com o pessoal do Departamento de Futebol do Paulistano, ao São Paulo Futebol Clube na fase do São Paulo da Floresta (1930 a 1935).

 

Clubes que existem até hoje mas desativaram o Departamento de Futebol:

SPAC, campeão em 1902, 1903, 1904 e 1911, extinguiu o futebol em 1912;

Club Athletico Paulistano, campeão em 1905, 1908, 1913 (APEA), 1916 (APEA), 1917, 1918, 1919, 1921, 1926 (LAF), 1927 (LAF) e 1929 (LAF), extinguiu o futebol em 1930. Uma vez extinto o futebol do clube, o pessoal do departamento, junto com a estrutura física da A.A. das Palmeiras, deu origem ao São Paulo Futebol Clube, na fase do São Paulo da Floresta (1930 a 1935);

Sport Club Germânia, atual Sport Clube Pinheiros, campeão em 1908 e 1915 (LPF), extinguiu o futebol em 1933.

 

O Sport Club Internacional, campeão em 1907 e 1928 (LAF), se fundiu com o Antarctica Futebol Clube em 1933, dando origem ao Clube Atlético Paulista. Em 1937, o clube se fundiu ao Clube Atlético Estudantes São Paulo, dando origem ao Clube Atlético Estudante Paulista. Em 1938, o clube foi incorporado ao São Paulo Futebol Clube.

 

Os outros 10 campeonatos foram conquistados por Corinthians (1914 (LPF), 1916 (LPF), 1922, 1923, 1924, 1928 (APEA) e 1929 (APEA)) e Palestra Itália (1920, 1926 (APEA) e 1927 (APEA)).

 

Os 11 campeonatos decididos em confrontos diretos nas últimas duas rodadas

1914, 6 clubes, dois turnos, campeonato organizado pela APEA – Paulistano e São Bento chegaram a última rodada com 14 e 13 pontos, respectivamente. No dia 01/11/1914, o São Bento venceu o Paulistano por 2×1 e se sagrou campeão paulista. O São Bento terminou o campeonato com 15 pontos e o Paulistano com 14;

1925, 12 clubes, dois turnos – Paulistano e São Bento chegaram a última rodada com 15 e 14 pontos, respectivamente. No dia 08/11/1925, o São Bento venceu o Paulistano por 1×0 e se sagrou campeão paulista. O São Bento terminou o campeonato com 16 pontos e o Paulistano com 15;

1930, 14 clubes, dois turnos – Corinthians e Santos chegaram a última rodada com 42 e 40 pontos, respectivamente. O Santos precisava vencer o Corinthians para forçar uma partida extra. No dia 04/01/1931, o Corinthians venceu o Santos por 5×2 e se sagrou campeão paulista. O Corinthians terminou o campeonato com 44 pontos e o Santos com 40;

1933, 8 clubes, dois turnos – Palestra Itália, 10 pontos, e São Paulo, 9 pontos, jogariam no dia 12/11/1933. Essa seria a última partida do Palestra Itália. O São Paulo ainda teria mais um jogo contra o Ypiranga. Quem vencesse a partida seria o campeão paulista. No dia 12/11/1933, o Palestra Itália venceu o São Paulo por 1×0 e se sagrou campeão paulista. O São Paulo ainda derrotaria o Ypiranga por 4×1 no dia 15/11/1933. O Palestra Itália terminou com 12 pontos e o São Paulo com 11;

1936, 7 clubes, dois turnos, campeonato organizado pela APEA – Portuguesa e Ypiranga chegaram a última rodada com 19 pontos cada. No dia 13/12/1936, a Portuguesa venceu o Ypiranga por 6×1 e se sagrou bicampeã paulista. A Portuguesa terminou o campeonato com 21 pontos e o Ypiranga com 19;

1943, 11 clubes, dois turnos – São Paulo e Palmeiras chegaram a última rodada com 32 e 30 pontos, respectivamente. O Palmeiras precisava vencer o São paulo para forçar uma partida extra. Um detalhe importante: como o Corinthians venceu a Portuguesa Santista por 6×1 na última rodada, terminando com 32 pontos, o jogo extra na verdade seria um triangular final, situação que nunca aconteceu na história do campeonato paulista. No dia 03/10/1943, São Paulo empatou com o Palmeiras por 0x0 e se sagrou campeão paulista. O São Paulo terminou com 33 pontos, o Corinthians com 32 e o Palmeiras com 31;

1950, 12 clubes, dois turnos – Palmeiras e São Paulo chegaram a última rodada com 31 e 30 pontos, respectivamente. No dia 28/01/1951, o Palmeiras empatou com o São Paulo por 1×1 e se sagrou campeão paulista. O Palmeiras terminou com 32 pontos e o São Paulo com 31. O Santos também terminou com 31 pontos, mas não havia combinação de resultados que lhe permitisse participar de uma fase final;

1957, 20 clubes. A primeira fase foi disputada em turno único, onde 10 clubes se classificariam para a fase final que seria disputada em turno e returno – São Paulo e Corinthians chegaram a última rodada com 28 pontos cada. No dia 29/12/1957, o São Paulo venceu o Corinthians por 3×1 e se sagrou campeão paulista. O São Paulo terminou com 30 pontos e o Corinthians com 28. Um detalhe importante: um dia antes, 28/12/1957, o Santos venceu o Palmeiras por 4×1 e chegou aos 29 pontos. Se o jogo São Paulo e Corinthians tivesse terminado empatado, o campeonato de 1957 seria decidido num triangular final;

1964, 16 clubes, dois turnos – Santos e Portuguesa chegaram a última rodada com 42 e 40 pontos, respectivamente. No dia 13/12/1964, o Santos venceu a Portuguesa por 3×2 e se sagrou campeão paulista. O Santos terminou com 44 pontos e a Portuguesa com 40. Como no dia 16/12/1964 o Palmeiras venceu o Comercial por 2×0, o clube chegou aos 41 pontos e terminou como vice-campeão de 1964, apesar de não ter tido chance de decidir o campeonato;

1971, 12 clubes, dois turnos – São Paulo e Palmeiras chegaram a última rodada com 34 e 33 pontos, respectivamente. No dia 27/06/1971, o São Paulo venceu o Palmeiras por 1×0 e se sagrou bicampeão paulista. O São Paulo terminou com 36 pontos e o Palmeiras com 33;

1972, 12 clubes, dois turnos – Palmeiras e São Paulo chegaram a última rodada com 36 e 35 pontos, respectivamente. No dia 03/09/1972, o Palmeiras empatou com o São Paulo em 0x0 e se sagrou campeão paulista, evitando o tricampeonato do São Paulo e devolvendo a derrota do ano anterior. O Palmeiras terminou com 37 pontos e o São Paulo com 36;

 

Os 10 campeonatos de pontos corridos decididos em partidas extras

1902, 5 clubes, dois turnos – SPAC e Paulistano chegaram empatados ao final do campeonato com 12 pontos cada. O campeonato foi decidido num jogo extra disputado no dia 26/10/1902 quando o SPAC venceu o Paulistano por 2×1 e se sagrou o primeiro campeão paulista;

1903, 5 clubes, dois turnos – SPAC e Paulistano chegaram empatados ao final do campeonato com 13 pontos cada. O campeonato foi decidido num jogo extra disputado no dia 25/10/1903 quando o SPAC venceu o Paulistano por 2×1 e se sagrou o primeiro bicampeão paulista;

1904, 6 clubes, dois turnos – SPAC e Paulistano chegaram empatados ao final do campeonato com 18 pontos cada. O campeonato foi decidido num jogo extra disputado no dia 30/10/1904 quando o SPAC venceu o Paulistano por 1×0 e se sagrou o primeiro tricampeão paulista;

1909, 5 clubes, dois turnos – A.A. das Palmeiras e Paulistano chegaram empatados ao final do campeonato com 14 pontos cada. O campeonato foi decidido num jogo extra disputado no dia 05/12/1909 quando a A.A. das Palmeiras venceu o Paulistano por 2×1 e se sagrou campeã paulista pela primeira vez;

1920, 10 clubes, dois turnos – Palestra Itália e Paulistano chegaram empatados ao final do campeonato com 26 pontos cada. O campeonato foi decidido num jogo extra disputado no dia 19/12/1920 quando o Palestra Itália venceu o Paulistano por 2×1 e se sagrou campeã paulista pela primeira vez;

1928, 12 clubes, dois turnos, campeonato organizado pela LAF – Internacional e Paulistano chegaram empatados ao final do campeonato com 33 pontos cada. O campeonato foi decidido num jogo extra disputado no dia 30/12/1928 quando o Internacional venceu o Paulistano por 2×0 e se sagrou campeão paulista pela segunda vez;

1935, 8 clubes, dois turnos, campeonato organizado pela APEA – Portuguesa e Ypiranga chegaram empatados ao final do campeonato com 22 pontos cada. O campeonato foi decidido em dois jogos extras disputados nos dias 05/01/1936 e 12/01/1936. No primeiro jogo, quando a partida estava empatada em 2×2, o Ypiranga abandonou o campo protestando contra a arbitragem. Assim, os pontos da partida foram dados à Portuguesa. No dia 12/01/1936, a Portuguesa venceu o Ypiranga por 5×2 e se sagrou campeã paulista pela primeira vez;

1956, 18 clubes, dois turnos, sendo a primeira fase disputada por 18 clubes em turno único, onde 10 clubes se classificariam para a segunda fase (Série Azul) disputada em turno e returno. Santos e São Paulo chegaram empatados ao final da segunda fase com 30 pontos cada. O campeonato foi decidido num jogo extra disputado no dia 03/01/1957 quando o Santos venceu o São Paulo por 4×2 e se sagrou bicampeão paulista;

1959, 20 clubes, dois turnos – Palmeiras e Santos chegaram empatados ao final do campeonato com 63 pontos cada. O campeonato foi decidido em três partidas. No dia 05/01/1960, empate em 1×1. No dia 07/01/1960, novo empate, dessa vez por 2×2. No dia 10/01/1960, o Palmeiras venceu o Santos por 2×1 e se sagrou campeão paulista.

1967, 14 clubes, dois turnos – Santos e São Paulo chegaram empatados ao final do campeonato com 41 pontos cada. O campeonato foi decidido num jogo extra disputado no dia 21/12/1967 quando o Santos venceu o São Paulo por 2×0 e se sagrou campeão paulista;

 

2 – A fase dos campeonatos com finais – Desde 1973

O ano de 1973 marca o início da fase dos campeonatos que previam finais. Desde então, nos 46 anos dessa fase foram disputados 47 campeonatos. Em 2002, São Paulo teve o campeonato estadual, vencido pelo Ituano, e o super-campeonato, vencido pelo São Paulo.

 

Analisando os 47 campeonatos, chegamos aos números a seguir relacionados:

 

39 campeonatos decididos com finais envolvendo dois clubes: 1973, 1974, 1975, 1977, 1978, 1979, 1980, 1981, 1982, 1983, 1985, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990, 1991, 1992, 1993, 1995, 1998, 1999, 2000, 2001, 2002, 2003, 2004, 2007, 2008, 2009, 2010, 2011, 2012, 2013, 2014, 2015, 2016, 2017 e 2018;

1 campeonato decidido através de quadrangular final previsto no regulamento: 1997;

7 campeonatos disputados no sistema de pontos corridos: 1976, 1984, 1994, 1996, 2002, 2005 e 2006.

 

No primeiro campeonato da fase das finais, uma lambança histórica do árbitro Armando Marques

O campeonato de 1973, primeiro da fase das finais, foi disputado por 12 clubes. A final seria disputada entre o vencedor do primeiro turno, Santos, e o vencedor do segundo turno, Portuguesa. No dia 26/08/1973, os dois clubes se enfrentaram no Morumbi. Depois de empatarem por 0x0 no tempo normal e na prorrogação, Santos e Portuguesa decidiriam o campeonato nos pênaltis. O Santos perdeu a primeira cobrança e fez as duas seguintes. A Portuguesa perdeu as duas primeiras. Quando a Portuguesa perdeu a terceira cobrança, o árbitro Armando Marques encerrou as penalidades e deu a vitória ao Santos. Ele se confundiu pois ainda havia a possibilidade do Santos perder as últimas duas cobranças e a Portuguesa converter seus dois últimos pênaltis. O empate em 2×2 na série de 5 pênaltis faria com que os times passassem às cobranças extras até que o título fosse definido. Diante de tamanha lambança, a FPF declarou Santos e Portuguesa campeões de 1973 e entregou dois troféus iguais aos dois clubes. Cabe ressaltar que essa foi a única experiência da FPF com uma decisão em apenas uma partida. Desde então, os títulos foram definidos em finais com duas ou três partidas, ou com um quadrangular final (1997, previsto no regulamento).

 

Os dois campeonatos de 2002

Em 2002, os clubes paulistas e cariocas priorizaram o Torneio Rio x São Paulo. Com isso, o campeonato paulista, vencido pelo Ituano, foi disputado sem a presença de Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Santos, Guarani, Ponte Preta, Portuguesa, São Caetano e Jundiaí. Após o término dos dois campeonatos, ambos finalizados no dia 12/05/2002, foi disputado o Supercampeonato de 2002. O campeonato foi disputado por apenas quatro clubes: Ituano, campeão paulista, e Corinthians, São Paulo e Palmeiras, os clubes paulistas de melhor colocação no Torneio Rio x São Paulo daquele ano. O Supercampeonato era curtíssimo e teria apenas duas semi-finais e uma final. O Ituano se classificou para a final após eliminar o Corinthians: 2×0 e 3×2. O São Paulo se classificou após eliminar o Palmeiras: 2×0 e 2×2. O São Paulo conquistou o título após vencer o Ituano: 2×2 e 4×1.

 

Um detalhe importante: o Torneio Rio x São Paulo de 2002 acabou virando um campeonato paulista na fase final. O Corinthians, campeão, venceu o São Paulo na final. A semi-finais foram disputadas contra São Caetano e Palmeiras, respectivamente.

 

As 39 finais

  1. 1973, Santos x Portuguesa (0x0 no tempo normal e na prorrogação; Santos 2×0 nos pênaltis);
  2. 1974, Palmeiras x Corinthians (1×1 e 1×0);
  3. 1975, São Paulo x Portuguesa (1×0 e 0x1; 0x0 na prorrogação e 3×0 nos pênaltis);
  4. 1977, Corinthians x Ponte Preta (1×0, 1×2 e 1×0);
  5. 1978, Santos x São Paulo (2×1, 1×1 e 0x2; 0x0 na prorrogação);
  6. 1979, Corinthians x Ponte Preta (1×0, 0x0 e 2×0);
  7. 1980, São Paulo x Santos (1×0 e 1×0);
  8. 1981, São Paulo x Ponte Preta (1×1 e 2×0);
  9. 1982, Corinthians x São Paulo (1×0 e 3×1);
  10. 1983, Corinthians x São Paulo (1×0 e 1×1);
  11. 1985, São Paulo x Portuguesa (3×1 e 2×1);
  12. 1986, Internacional de Limeira x Palmeiras (0x0 e 2×1);
  13. 1987, São Paulo x Corinthians (2×1 e 0x0);
  14. 1988, Corinthians x Guarani (1×1 e 0x0; 1×0 na prorrogação);
  15. 1989, São Paulo x São José (1×0 e 0x0);
  16. 1990, Bragantino x Novorizontino (0x0 e 0x0; 0x0 na prorrogação);
  17. 1991, São Paulo x Corinthians (3×0 e 0x0);
  18. 1992, São Paulo x Palmeiras (4×2 e 2×1);
  19. 1993, Palmeiras x Corinthians (0x1 e 3×0);
  20. 1995, Corinthians x Palmeiras (1×1 e 1×1; 1×0 na prorrogação);
  21. 1998, São Paulo x Corinthians (1×2 e 3×1);
  22. 1999, Corinthians x Palmeiras (3×0 e 2×2);
  23. 2000, São Paulo x Santos (1×0 e 2×2);
  24. 2001, Corinthians x Botafogo de Ribeirão Preto (3×0 e 0x0);
  25. 2002, São Paulo x Ituano, Supercampeonato (2×2 e 4×1)
  26. 2003, Corinthians x São Paulo (3×2 e 3×2);
  27. 2004, São Caetano x Paulista (3×1 e 2×0);
  28. 2007, Santos x São Caetano (0x2 e 2×0);
  29. 2008, Palmeiras x Ponte Preta (1×0 e 5×0);
  30. 2009, Corinthians x Santos (3×1 e 1×1);
  31. 2010, Santos x Santo André (3×2 e 2×3);
  32. 2011, Santos x Corinthians (0x0 e 2×1);
  33. 2012, Santos x Guarani (3×0 e 4×2);
  34. 2013, Corinthians x Santos (2×1 e 1×1);
  35. 2014, Ituano x Santos (1×0 e 0x1; 7×6 nos pênaltis);
  36. 2015, Santos x Palmeiras (0x1 e 2×1; 4×2 nos pênaltis);
  37. 2016, Santos x Osasco Audax (1×1 e 1×0);
  38. 2017, Corinthians x Ponte Preta (3×0 e 1×1);
  39. 2018, Corinthians x Palmeiras (0x1 e 1×0; 4×3 nos pênaltis).

 

Um detalhe interessante dessa fase é a utilização de semi-finais e, em alguns anos, quartas-de-finais. Desde 1973, 10 campeonatos foram decididos a partir das quartas-de-finais e 16 campeonatos a partir das semi-finais. Os outros 13 campeonatos foram decididos diretamente com finais:

 

10 campeonatos com quartas-de-finais, semi-finais e finais 2003, 2004, 2011, 2012, 2013, 2014, 2015, 2016, 2017 e 2018;

16 campeonatos com semi-finais e finais 1978, 1979, 1983, 1985, 1986, 1987, 1989, 1998, 1999, 2000, 2001, 2002, 2007, 2008, 2009 e 2010;

13 campeonatos com finais 1973, 1974, 1975, 1977, 1980, 1981, 1982, 1988, 1990, 1991, 1992, 1993 e 1995.

 

O Quadrangular de 1997

O campeonato paulista de 1997 foi disputado por 16 clubes, divididos nos Grupos 1 e 2. A fase classificatória seria disputada em duas fases. A primeira fase foi disputada em turno único com jogos entre os clubes de cada grupo (7 partidas). A segunda fase foi disputada em turno e returno com jogos do Grupo 1 x Grupo 2 (16 partidas). Após 23 partidas, os dois primeiros colocados de cada grupo se classificariam para o quadrangular final, que seria disputado em turno único. Palmeiras e Santos se classificaram pelo Grupo 1. Corinthians e São Paulo pelo Grupo 2. Depois de vencerem Santos e Palmeiras, Corinthians e São Paulo empataram em 1×1 e terminaram com 7 pontos cada. O Corinthians foi campeão por ter feito uma campanha superior a do São Paulo na fase classificatória.

 

Os 7 campeonatos disputados por pontos corridos realizados depois de 1973

Mesmo depois de 1973, a FPF organizou 7 campeonatos por pontos corridos. Com exceção de 1984, eles foram conquistados com tranquilidade, sem decisões nas últimas duas rodadas ou jogos extras. Inclusive, vale mencionar o campeonato de 1996 conquistado de forma assombrosa pelo Palmeiras, que somou 83 pontos de 90 possíveis, contra 55 do São Paulo, segundo colocado. De 30 partidas disputadas, o Palmeiras somente não venceu três (27 vitórias, dois empates e uma derrota, Guarani 1×0).

 

Em 1984, Santos e Corinthians chegaram a última rodada com 55 e 54 pontos, respectivamente. No dia 02/12/1984, o Santos venceu o Corinthians por 1×0 e se sagrou campeão paulista. O Santos terminou o campeonato com 57 pontos e o Corinthians com 54.

 

Os campeões dos 7 campeonatos de pontos corridos após 1973 foram:

 

  1. 1976, Palmeiras;
  2. 1984, Santos;
  3. 1994, Palmeiras;
  4. 1996, Palmeiras;
  5. 2002, Ituano;
  6. 2005, São Paulo;
  7. 2006, Santos.

 

Relação de finais, vitórias e derrotas por clube

O São Paulo participou de 25 decisões com 14 vitórias e 11 derrotas:

14 vitórias: Corinthians em 1957, 1987, 1991 e 1998 (4); Palmeiras em 1943, 1971 e 1992 (3); Portuguesa em 1975 e 1985 (2); Santos em 1980 e 2000 (2); Ponte Preta em 1981 (1); São José em 1989 (1) e Ituano em 2002 (1);

11 derrotas: Corinthians em 1982, 1983, 1997 e 2003 (4); Santos em 1956, 1967, 1969 e 1978 (4); Palmeiras em 1933, 1950 e 1972 (3);

 

1943, São Paulo x Palmeiras (0x0);

1957, São Paulo x Corinthians (3×1);

1971, São Paulo x Palmeiras (1×0);

1975, São Paulo x Portuguesa (1×0 e 0x1; 0x0 na prorrogação e 3×0 nos pênaltis);

1980, São Paulo x Santos (1×0 e 1×0);

1981, São Paulo x Ponte Preta (1×1 e 2×0);

1985, São Paulo x Portuguesa (3×1 e 2×1);

1987, São Paulo x Corinthians (2×1 e 0x0);

1989, São Paulo x São José (1×0 e 0x0);

1991, São Paulo x Corinthians (3×0 e 0x0);

1992, São Paulo x Palmeiras (4×2 e 2×1);

1998, São Paulo x Corinthians (1×2 e 3×1);

2000, São Paulo x Santos (1×0 e 2×2);

2002, São Paulo x Ituano, Supercampeonato (2×2 e 4×1).

 

O Corinthians participou de 24 decisões com 15 vitórias e 9 derrotas:

15 vitórias: São Paulo em 1982, 1983, 1997 e 2003 (4); Santos em 1930, 2009 e 2013 (3); Ponte Preta em 1977, 1979 e 2017 (3); Palmeiras em 1995, 1999 e 2018 (3); Guarani em 1988 (1) e Botafogo de Ribeirão Preto em 2001 (1);

9 derrotas: São Paulo em 1957, 1987, 1991 e 1998 (4); Palmeiras em 1936, 1974 e 1993 (3) e Santos em 1984 e 2011 (2);

 

1930, Corinthians x Santos (5×2);

1977, Corinthians x Ponte Preta (1×0, 1×2 e 1×0);

1979, Corinthians x Ponte Preta (1×0, 0x0 e 2×0);

1982, Corinthians x São Paulo (1×0 e 3×1);

1983, Corinthians x São Paulo (1×0 e 1×1);

1988, Corinthians x Guarani (1×1 e 0x0; 1×0 na prorrogação);

1995, Corinthians x Palmeiras (1×1 e 1×1; 1×0 na prorrogação);

1997, Corinthians x São Paulo (1×1);

1999, Corinthians x Palmeiras (3×0 e 2×2);

2001, Corinthians x Botafogo de Ribeirão Preto (3×0 e 0x0);

2003, Corinthians x São Paulo (3×2 e 3×2);

2009, Corinthians x Santos (3×1 e 1×1);

2013, Corinthians x Santos (2×1 e 1×1);

2017, Corinthians x Ponte Preta (3×0 e 1×1)~;

2018, Corinthians x Palmeiras (0x1 e 1×0; 4×3 nos pênaltis).

 

O Santos participou de 20 decisões com 12 vitórias e 8 derrotas:

12 vitórias: São Paulo em 1956, 1967, 1969 e 1978 (4); Corinthians em 1984 e 2011 (2); Portuguesa em 1964 (1); São Caetano em 2007 (1); Santo André em 2010 (1); Guarani em 2012 (1); Palmeiras em 2015 (1) e Osasco Audax em 2016 (1);

8 derrotas: Corinthians em 1930, 2009 e 2013 (3); São Paulo em 1980 e 2000 (2); Palmeiras em 1927 e 1959 (2); Ituano em 2014 (1);

 

Sendo mais preciso, o Santos participou de 21 decisões, mas o título de 1973 não foi relacionado pois os dois finalistas, Santos e Portuguesa, foram declarados campeões pela FPF, sem que houvesse um derrotado.

 

1964, Santos x Portuguesa (3×2);

1956, Santos x São Paulo (4×2);

1967, Santos x São Paulo (2×0);

1969, Santos x São Paulo (0x0);

1978, Santos x São Paulo (2×1, 1×1 e 0x2; 0x0 na prorrogação);

1984, Santos x Corinthians (1×0);

2007, Santos x São Caetano (0x2 e 2×0);

2010, Santos x Santo André (3×2 e 2×3);

2011, Santos x Corinthians (0x0 e 2×1);

2012, Santos x Guarani (3×0 e 4×2);

2015, Santos x Palmeiras (0x1 e 2×1; 4×2 nos pênaltis);

2016, Santos x Osasco Audax (1×1 e 1×0);

O Palmeiras participou de 18 decisões com 10 vitórias e 8 derrotas:

10 vitórias: São Paulo em 1933, 1950 e 1972 (3); Corinthians em 1936, 1974 e 1993 (3); Santos em 1927 e 1959 (2); Ponte Preta em 2008 (1) e Paulistano em 1920 (1);

8 derrotas: São Paulo em 1943, 1971 e 1992 (3); Corinthians em 1995, 1999 e 2018 (3); Santos em 2015 (1); Internacional de Limeira em 1986 (1);

 

1920, Palestra Itália x Paulistano (2×1);

1927, Palestra Itália x Santos (3×2);

1933, Palestra Itália x São Paulo (1×0);

1936, Palestra Itália x Corinthians (1×0, 0x0 e 2×1);

1950, Palmeiras x São Paulo (1×1);

1959, Palmeiras x Santos (2×1);

1972, Palmeiras x São Paulo (0x0);

1974, Palmeiras x Corinthians (1×1 e 1×0);

1993, Palmeiras x Corinthians (0x1 e 3×0);

2008, Palmeiras x Ponte Preta (1×0 e 5×0).

 

A Portuguesa participou de 5 decisões com duas vitórias e três derrotas:

Duas vitórias: Ypiranga em 1935 e 1936 (2);

3 derrotas: São Paulo em 1975 e 1985 (2) e Santos em 1964 (1);

 

Sendo mais preciso, a Portuguesa participou de 6 decisões, mas o título de 1973 não foi relacionado pois os dois finalistas, Portuguesa e Santos, foram declarados campeões pela FPF, sem que houvesse um derrotado.

1935, Portuguesa x Ypiranga (2×2 e 5×2);

1936, Portuguesa x Ypiranga (6×1).

 

O SPAC venceu as três decisões que disputou, todas contras o Paulistano:

1902, SPAC x Paulistano (2×1);

1903 SPAC x Paulistano (2×1);

1904 SPAC x Paulistano (1×0).

 

O São Bento venceu as duas decisões que participou, todas contra o Paulistano:

1914, São Bento x Paulistano (2×1);

1925, São Bento x Paulistano (1×0);

 

O São Caetano participou de duas decisões, tendo vencido o Paulista em 2004 e perdido para o Santos em 2007:

2004, São Caetano x Paulista (3×1 e 2×0);

 

O Ituano participou de duas decisões, tendo vencido o Santos em 2014 e perdido para o São Paulo em 2002 no Supercampeonato:

2014, Ituano x Santos (1×0 e 0x1; 7×6 nos pênaltis);

 

Os clubes a seguir relacionados venceram a única decisão da qual participaram:

 

1909 A.A. das Palmeiras x Paulistano (2×1);

1928, S.C. Internacional x Paulistano (2×0);

1986, Internacional de Limeira x Palmeiras (0x0 e 2×1);

1990, Bragantino x Novorizontino (0x0 e 0x0; 0x0 na prorrogação);

 

Os clubes a seguir relacionados perderam todas as decisões que disputaram:

 

O Paulistano perdeu as 8 decisões que disputou: SPAC em 1902, 1903 e 1904 (3); São Bento em 1914 (APEA) e 1925 (2); A.A. das Palmeiras em 1909 (1); Palestra Itália em 1920 (1) e Internacional em 1928 (1);

A Ponte Preta perdeu as 5 decisões que disputou: Corinthians em 1977, 1979 e 2017 (3); São Paulo em 1981 (1), Palmeiras em 2008 (1);

O Guarani perdeu as duas decisões que disputou: Corinthians em 1988 (1) e Santos em 2012 (1);

O Ypiranga perdeu as duas decisões que disputou, ambas para a Portuguesa, em 1935 e 1936 (2)

O São José perdeu a decisão de 1989 para o São Paulo;

O Novorizontino perdeu a decisão de 1990 para o Bragantino;

O Botafogo de Ribeirão Preto perdeu a decisão de 2001 para o Corinthians;

O Paulista perdeu a decisão de 2004 para o São Caetano;

O Santo André perdeu a decisão de 2010 para o Santos;

O Osasco Audax perdeu a decisão de 2016 para o Santos.

 

 

Jorge Priori é torcedor do Fluminense e gosta muito de história.

One thought on “A história das finais do campeonato paulista de futebol: de 1902 a 2018

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s